A Disney World por muito pouco não foi construída na cidade de St. Louis, no Missouri! Você sabia? Após o sucesso da Disneyland na Califórnia, o criador de Mickey Mouse, Walter Elias Disney, era constantemente assediado por prefeitos e governadores das mais variadas regiões dos Estados Unidos, que também queriam um “Parque Mágico” em suas cidades e estados. O próprio Walt Disney já tinha intenções de abrir um novo parque, desta vez maior, em regiões mais próximas da costa leste dos EUA. Registros mostram que as negociações junto ao prefeito de St. Louis avançaram. Por muito pouco o projeto não vingou! Continue lendo para entender:

Os planos de Walt Disney para um segundo parque

A inauguração da Disneyland foi um sucesso na Califórnia, porém o espaço era muito pequeno para o tamanho do sonho de Walt Disney. Apenas como comparação, a Disney World que conhecemos hoje em Orlando ocupa um espaço de 103,6 km2. É mais do que 50 vezes o tamanho da Disneyland e compara-se em tamanho à cidade de São Francisco.

Disney tinha várias ideias para a construção do novo parque, que também incluiria uma cidade do futuro ideal, o EPCOT (Experimental Prototype City Of Tomorrow). Infelizmente Walt Disney faleceu 5 anos antes da conclusão e inauguração da Disney World e com ele, muitos de seus planos. O EPCOT acabou por se tornar mais um dos parques do complexo e não uma cidade.

Para realizar todos os seus sonhos, Disney precisava de muito espaço em uma região estratégica, que garantisse o fluxo de turistas.

Por que St. Louis?

Em 1963 o prefeito da cidade de St. Louis, Raymond Tucker, iniciou um projeto ousado de revitalização do centro da cidade. Como Walt Disney era o empresário de entretenimento mais famoso do mundo na época, Tucker resolveu convidá-lo para fazer parte do projeto, para que ele contribuisse com um novo parque. Walt Disney tinha um certo apresso pelo estado do Missouri, já que passou parte de sua infância na cidade de Marceline! Aliás, uma curiosidade interessante da Disney World é que a rua principal de entrada do parque, a Main Street USA, teve sua arquitetura inspirada na cidade de Marceline, tamanho era o amor que Walt Disney tinha por ela.

Havia também um outro motivo! Walt estava de olho no público da parte leste dos EUA. Em suas pesquisas internas, apenas 5% do público americano à leste do Mississippi River no mapa dos EUA se dispunham a viajar até a costa oeste, na Califórnia, para visitar a Disneyland. Na época, 75% da população dos EUA estava justamente na parte leste do mapa. Era, portanto, um grande público para deixar de lado. A cidade de St. Louis, neste aspecto, fica centralmente localizada no mapa dos EUA, podendo atrair público de todos os cantos dos país. Além disso, ela margeia o Rio Mississippi.

O novo parque teria um efeito sinérgico com as novas obras em andamento no centro da cidade, entre elas o Gateway Arch, que foi inaugurado em 1965, e o Busch Stadium, distante alguns quarteirões do centro.

St. Louis estava crescendo nos anos Camelot. O Gateway Arch estava em construção, inaugurado em 1965. E o Busch Stadium estava sendo construído a alguns quarteirões de distância, trazendo futebol e beisebol para o centro em 1966.

Como seria o novo parque em St. Louis?

Inicialmente, o pedido do prefeito Raymond Tucker para Walt Disney era apenas um parque inspirado em um filme baseado na história da cidade. Walt Disney e seus Imagineers projetaram algo muito maior!

Um novo parque temático seria construído próximo às margens do Rio Mississippi e cobriria 2 quarteirões com o nome de Walt Disney’s Riverfront Square.

Documentos e registros do novo parque foram recentemente descobertos e leiloados. Os desenhos mostram que o novo parque teria um formato consideravelmente diferente da Disneyland e da Disney World que hoje conhecemos.

Para começar que o parque seria indoors! Por que?

St. Louis não oferecia o mesmo clima da Califórnia. A região central dos EUA é mais fria e inviabilizaria o fluxo necessário de turistas que o projeto exigia nos períodos de inverno. Walt Disney defendia que seus parques deveriam ser sempre “Year Round Parks” (parques para todo o ano). Este foi o fator decisivo para que Walt abandonasse a ideia de construir parques no norte do país.

O Walt Disney’s Riverfront Square seria construído dentro de um edifício de 5 andares climatizado com capacidade para 25 mil pessoas. Algumas atrações seriam Piratas do Caribe, a Hauted Mansion e a Big Thunder Mountain Railroad.

Abaixo os desenhos e blueprints do que seria o novo parque. Os documentos foram leiloados recentemente e podem ser vistos no link: https://profilesinhistory.com/flipbooks/Animation81/mobile/index.html#p=100

Blueprints do Walt Disney's Riverfront Square em St. Louis

Por que o plano não deu certo em St. Louis

Apesar de todas as ótimas condições para o sucesso de um novo parque na cidade do Missouri, o projeto não prosperou e foi encerrado oficialmente em 1965.

Há uma lenda urbana no Missouri que conta que a história por traz da interrupção das negociações entre o prefeito Raymond Tucker e Walt Disney tem a ver com desentendimentos entre Walt e um empresário influente no Missouri na época, tido como o “barão da cerveja”. Tratava-se de August Busch Jr., sócio da fábrica de cervejas Anheuser-Busch. Vocês devem ter reparado no nome do estádio em construção no centro de St. Louis, mencionado no primeiro tópico deste artigo: “Busch Stadium”.

August Busch era um empresário extremamente influente e seus planos obviamente incluíam a venda de cerveja por todo o centro revitalizado de St. Louis, inclusive no futuro parque da Disney. Obviamente que Walt Disney vetou a ideia, já que seus parques não vendem bebida alcóolica e são voltados para famílias, sem qualquer relação com entretenimento adulto.

Essa história é hoje rodeada de folclore, mas é uma pesquisa interessante de se fazer na internet, até para entender as diferentes culturas e costumes entre cidades da costa oeste e cidades da região central dos EUA. A Califórnia era vista como uma cidade mais saudável (“Healthy”) e, apesar de todos também beberem cerveja por lá, não se comparava à cultura consumista de cerveja dos estados mais centrais. Aparentemente a ideia de não se vender cerveja no parque da Disney em St. Louis não seria bem recebida.

Este artigo na internet conta em detalhes este episódio envolvendo Walt e o barão da cerveja no Missouri.

O verdadeiro motivo…

O verdadeiro motivo que levou Walt Disney a abandonar a ideia do Walt Disney’s Riverfront Square teria a ver com uma questão financeira do negócio. Walt queria bancar apenas os brinquedos e atrações internas do parque, mas o edifício onde a nova Disney World seria construída deveria ser bancado pela prefeitura. O prefeito Raymond Tucker não aceitou a contraproposta e os negócios não prosperaram.

Nesta época Walt Disney já estava de olho em outro local dos EUA para construção de seu novo parque. Uma região abençoada em clima e fartas terras: a Flórida!

Foto aérea do centro de St. Louis, na margem do Rio Mississippi. Ao centro o Gateway Arch
Foto aérea do centro de St. Louis, na margem do Rio Mississippi. Ao centro o Gateway Arch – Foto: Disney History Institute

Por que a Flórida foi escolhida?

No artigo Por que a Disney foi construída em Orlando detalhamos os principais motivos que levaram Walt Disney a escolher a região central da Flórida para realização de seu grande sonho: O Magic Kingdom.

A região central da Flórida, na época, era um lugar coberto por pântanos, mato, mosquitos e crocodilos. Um lugar perdido no meio do nada. Miami e a região de Key West já era conhecidas e recebiam fluxo considerável de turistas, porém a região central, supostamente, pouco tinha a oferecer para o turismo. Por este motivo, o preço da terra era consideravelmente baixo, o que permitiu a aquisição de uma grande área por parte do grupo Disney. E espaço era essencial para o novo projeto!

Ao sobrevoar a Flórida Walt Disney ficou impressionado com a natureza tropical verdejante do chamado “Sunshine State”. Era, de fato, um lugar abençoado que fazia jus à fama da época, onde todos poderiam se divertir à luz do sol em meio à natureza exuberante durante todos os dias do ano.

A cidade de Orlando, na Flórida, foi escolhida
Disney World sendo construída na Flórida – Foto: Disney Parks Blog

Outro fator que atraiu Walt para o Sunshine State foi o cruzamento das principais highways da Flórida na parte central do estado. A I-4 cruzava com a Turnpike e a I-95. O centro do estado estava, portanto, interligado com todos os cantos da Flórida (norte, sul, leste e oeste). Essa mobilidade terrestre era fundamental para o projeto, que precisaria oferecer fácil acesso à moradores e turistas de outras partes do estado.

A Flórida também preenchia o requisito básico para o novo projeto, que era atender o público da parte leste dos EUA.

Estes foram alguns dos motivos que levaram Walt Disney a escolher a Flórida, e mais especificamente a cidade de Orlando, para criar o parque de diversões mais visitado do mundo!

Faça como Walt Disney! Invista você também na Flórida

Os motivos que levaram Walt Disney a investir na Flórida permanecem até hoje. A Flórida ainda oferece um dos menores preços por metro quadrado dos Estados Unidos, com alto potencial de valorização. O clima da Flórida oferece temperaturas agradáveis o ano todo, permitindo entretenimento ao ar livre e nas praias. Hoje, na verdade, a Flórida tem muito mais motivos que atraem investidores internacionais se fizermos uma comparação com a década de 1960. Então o que você está esperando para investir em um dos destinos mais desejados do mundo e dolarizar parte de seu patrimônio? Fala como Walt Disney e realize seu sonho na Flórida!

Para saber mais veja: Principais motivos para investir em Orlando hoje

A CAP International é uma imobiliária global especializada na Flórida. Caso queira saber mais sobre como investir em Orlando ou Miami, entre em contato agora mesmo e bata um papo comigo por WhatsApp: +55 11 98111-2555 (Carlos Barros).